O que a Neuropsicologia faz?

Por Maitê Palmeira

De uma forma mais simples, podemos dizer que a Neuropsicologia estuda a mente, cérebro e comportamento. A mente se refere à atividade cognitiva, como seus pensamentos, sentimentos e memórias. Assim, pensar no que você comeu no almoço ou no que acha de beijar alguém que considera atraente são exemplos da mente em ação. Essa mente resulta do funcionamento do seu sistema nervoso, ou seja, a mente é o que o cérebro faz. Tá, mas como posso conhecer minha cognição? Simples: através de nossos comportamentos! Eles são nossos movimentos corporais, expressões faciais como o sorrir e ações intencionais como correr, beber, comer e escrever. A Neuropsicologia, partindo-se do fato que deduções do funcionamento cerebral podem ser feitas a partir do comportamento cognitivo, emocional, social e sensório-motor do indivíduo, emerge como um campo do conhecimento importante dentro da Neurociências. Portanto, ela tem como objetivo o estudo das relações existentes entre o funcionamento do sistema nervoso central e as manifestações cognitivas e comportamentais decorrentes ou consequentes desse funcionamento.

O que é Avaliação Neuropsicológica?

A Neuropsicologia, através de uma metodologia adequada, consegue avaliar as funções cognitivas: percepção, memória, atenção, função executiva, praxias e personalidade. Assim, elabora-se um perfil neuropsicológico do sujeito, identificando se o desenvolvimento dessas funções está esperado para faixa etária, escolaridade e história de vida. Olha só, vamos pensar num exemplo? É esperado que uma criança de 05 anos de idade consiga prestar atenção numa aula de 45 minutos? Bom, claro que não, pois esse estágio do desenvolvimento só é alcançado em torno de 9 anos de idade. Durante um processo avaliativo recorre-se a diversos recursos, como entrevistas clínica, testes cognitivos, observações comportamentais, escalas, inventários e questionários. Tudo isso a fim de avaliar as condições cognitivas e socioculturais, qualidade de vida, estado de humor, habilidades interpessoais, grau de independência, atividade produtiva do paciente, efeitos de procedimentos cirúrgicos ou tratamentos farmacológicos. De todo esse processo avaliativo resulta-se num laudo neuropsicológico. Este deve incluir os aspectos descritivos, a interpretação dos dados obtidos e a identificação das habilidades “fortes efracas”, assim como encaminhamentos e orientações para uma possível reabilitação. Perceberam a importância de uma boa Avaliação Neuropsicológica? Pronto para conhecer mais?

Quem precisa de Avaliação Neuropsicológica?

Dos muitos teóricos pesquisados o Malloy-Diniz, Mattos, Abreu e Fuentes (2016) conseguiram apontar com maestria a necessidade de tal indicação. De forma sucinta, as necessidades são:

  • Para se definir um diagnóstico, como por exemplo a avaliação das demências, a deficiência intelectual e os transtornos de aprendizagem.
  • Para complementar um diagnóstico, identificando a existência de dois ou mais problemas de saúde no mesmo indivíduo, as chamadas comorbidades. Vamos ao exemplo? Uma criança com Síndrome de Gilles de La Tourette pode apresentar também Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade ou até mesmo Transtorno Obsessivo Compulsivo.
  • Para sabermos a evolução clínica de uma doença e até mesmo o seu prognóstico.
  • Para diagnóstico diferencial de doenças, como por exemplo, diferenciar em um idoso um processo Demencial de um Transtorno Depressivo.
  • Para identificação de alvos terapêuticos para reabilitação ou remediação cognitiva.
  • Para verificar modificações ou prejuízos cognitivos ou afetivos decorrentes da desregulação bioquímica ou elétrica do cérebro (p. ex. epilepsias ou afasias) ou em decorrentes de eventos que atingiram direta ou indiretamente o sistema nervoso central (p. ex. traumatismo craniencefálico, tumores cerebrais, acidentes vascular).

Perceberam quantos casos podem se beneficiar da Avaliação Neuropsicológica?

Também é muito comum a solicitação de avaliação neuropsicológica durante o período escolar, devido às dificuldades de aprendizado e interação social serem mais visíveis no ambiente acadêmico. As queixas mais frequentes envolvem: prejuízo de atenção; agitação; comportamento agressivo; dificuldades relacionais; comportamento opositor; esquecimento; dificuldades na leitura, escrita e cálculo.

O diagnóstico precoce e as definições dos alvos corretos é uma condição favorável para uma intervenção mais eficaz.

O que você sabe sobre Reabilitação Neuropsicológica?

Além de atuar na avaliação, denominado avaliação neuropsicológica, o neuropsicólogo atua também no tratamento, a famosa reabilitação. Nela buscamos delinear, planejar e adaptar intervenções junto ao paciente e cuidadores, nos níveis cognitivo, físico, c